Quarta-feira, 5 de Março de 2008
Os Homens Preferem as Louras, de Howard Hawks com Jane Russell e Marilyn Monroe nos principais papéis, é uma comédia musical de 1953 daquelas antigas que me fascinam como o circo fascina outras crianças (a mim o circo nunca me impressionou muito por aí além; sempre gostei mais de magia ;) .
Gostei muito do filme porque, como quase todos os musicais clássicos, tem um guião extraordinário com diálogos tão cómicos como inteligentes e músicas coreografadas de forma muito divertida. Estes momentos cantados pelos protagonistas, aos quais às vezes se juntam outros para fazer coro, em danças bem orquestradas, dinâmicas e interactivas, sempre me fazem sentir dentro de uma festa. Musicais assim são dedicados à alegria.
E a história é do mais simples que pode haver. Uma loira e uma morena, amigas e colegas em palco, vêm de origens modestas e ambicionam um homem rico e um amor verdadeiro, respectivamente. Durante um cruzeiro para a Europa, a morena Dorothy Shaw (Russell) fica incumbida pelo noivo da loira Lorelei Lee (Monroe) de a vigiar de modo a evitar que ela arraste a asa para outro homem rico. O resto são situações muito engraçadas que acontecem ao longo da viagem.
Gentlemen Prefer Blondes é um filme com imenso sex appeal. Se não fosse cómico, teria sido, de certeza, censurado. Classificado, no mínimo, como erótico. Parecendo não bastar que as miúdas fossem desmesuradamente sensuais enquanto vestidas, qualquer oportunidade de as mostrar com menos roupa foi bem aproveitada. O argumento também está cheio de conotações libidinosas e uma canção é capaz de pregar o amor ao mesmo tempo que exibe os corpos da equipa olímpica americana (ver video).



Destaco a cena hilariante, de rir como rirei sempre até quando for velho e o meu riso ridículo, de Lorelei presa numa escotilha e salva pelo menino esperto que lhe pôs um xaile ao pescoço quando apareceu o Senhor dos diamantes. Também é muito eficaz a forma de dar o mote logo no início, quando Lorelei diz que viu, enquanto apresentava o número de dança, uma caixa de jóia dentro do bolso do seu pretendente entre a plateia.
Outra coisa que apreciei, foi o facto de ser um filme despretensioso a nível moral, ou talvez não, pois, se por um lado, a loira tem uma paixão sincera por dinheiro sem enganar ninguém, por outro, ela própria (que até era mais inteligente do que se dizia) dá uma luvada de categoria aos falsos moralistas. Diz ela:
- Don't you know that a man being rich is like a girl being pretty? You wouldn't marry a girl just because she's pretty, but my goodness, doesn't it help?
(- Não vê que um homem rico é como uma mulher bonita? Não casaria com uma mulher só por ser bonita, mas pelo amor de Deus, não ajuda?)
Faz pensar um bocadinho. Afinal, uma comédia não tem apenas que entreter, tem?


publicado por garçon às 01:16 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De ZEP a 5 de Março de 2008 às 14:15
ehehehe
o que mais lembro desse filme é quando a Jane Russell diz par aa Marylin como é que ela consegue ver o que quer que seja par aa plateia com os focos nos olhos, quando ela diz que pode dizer mal da marilyn porque são amigas e quando a marylin diz ao api do noivo que se ele fosse pai de uma rapariga também quereria que ela fizesse um bom casamento!
lol

vê se apareces no ciclo de cinema hoje. o filme é excelente. vê no fruta
abraço


De Mr Fights a 9 de Março de 2008 às 13:12
já vi esse filme há tantos anos...

tenho de o ir rever!


Comentar post

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds