Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007

A cidade de Lisboa é uma cidade essencialmente de trabalho. Diariamente, entram milhares de pessoas ao início do dia e saem ao final do mesmo sem na maioria das vezes usufruirem calmamente do espaço público que Lisboa oferece. Assim, vemos pessoas a correrem desalmadamente pelas ruas do centro, a caminho do trabalho ou de casa, sendo observados pelos turistas esplanadados ao Sol com aquela moleza das férias.
Porém, esta semana voltei a percorrer uma avenida de Lisboa, a Avenida da Igreja, que há muito não percorria e me deu a sensação de que, afinal, há vida nesta cidade. Não sinto isso com muita frequência excepto em zonas populares como o Chiado. No entanto, é diferente. No Chiado, há uma confusão de géneros de pessoas que desenraíza o bairro a favor de uma caracterização indefinida, ao que muitos chamam de cosmopolitismo.
Eu assisti na Avenida da Igreja a um tipo de urbanidade isento de turistas e de outsiders. Pelo contrário, vi pessoas descontraídas, habituadas ao bairro, que se movimentavam e estavam nele com o à vontade de estar seguro em casa. Só eu andava ali com os olhos curiosos a denunciarem a minha estranheza aos outros. A vida continuava apesar disso e era bonito ver a movimentação constante que obrigava os automobilistas a esperarem antes das passadeiras quando mudavam de direcção tal era o fluxo de transeuntes.
Ao mesmo tempo, muitas outras pessoas deixavam-se ficar sentadas nas mesas de fora dos cafés conversando, bebendo, comendo, olhando e esperando. Entre os cafés, o comércio também atrai com as montras bem elaboradas das lojas modernas alternando com as lojas de maior idade onde a fruta ainda é exposta no exterior a meter cobiça a quem passa. Tudo isto num dia cheio de Sol e folhas secas a caírem ao ritmo das brisas passageiras me animou.


publicado por garçon às 11:56 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Mr Fights a 1 de Novembro de 2007 às 20:49
A Avenida da Igreja é para mim uma das mais características da vivência de Lisboa. Se me dissessem: "Escolhe um sitio para viver em Lisboa" provavelmente era lá.

Adoro o bairro de Alvalade logo pela sua génese: prédios de classes altas e classes baixas lado a lado nas mesmas ruas sem qualquer distinção estética entre si.


De ZEP a 4 de Novembro de 2007 às 02:32
também gosto muito de Alvalade. Practicamente cresci ali pois sempre estudei na zona. Primeiro na Gago Coutinho, no meio do calmissimo bairro das vivendas e depois no Padre António Vieira.
A Av. Igreja era um dos hábitos diários após as aulas. Descer a av. Igreja e subir a Av. Roma. Sitios como a Carcassone, Biarritz ou a Concha Nata fazem parte desse meu imaginário de adolescência.
Tenho amigos que vivem ali agora e ainda é frequente ir lá. Se pudesse escolher, provavelmente iria viver para esse bairro de vivendas em Alvalade. Muito calmo, muito agradável. Ou então na Av. Rio de Janeiro.


Comentar post

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds