Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

Hoje, fui ver o filme A Bússola Dourada, realizado por Chris Weitz. É um filme engraçado, muito ao estilo Harry Potter (pode dizer-se que a personagem Potter está esgotada mas o que é certo é que o estilo veio para durar mais uns tempos) mas menos infantil e mais negro (obrigado, mr fights , por me ajudares a descrever este filme).

Há dois aspectos curiosos em relação a esta fábula que, para mim, não são inocentes e merecem leituras mais adultas - até julgo que é um bom e um mau exemplo de como despertar consciências nos adolescentes alheios ao mundo:

1º o bom exemplo: Acho interessante a forma como se aborda uma questão que é de política - o totalitarismo - orientada para um público juvenil. É uma excelente forma de pôr os mais novos em contacto com as ideias e os mecanismos desse tipo de regime e fazê-los pensar sobre isso. Durante o filme, o livre arbítrio (palavra cara que levará alguns a recorrer ao dicionário se forem curiosos) é defendido várias vezes e a liberdade de pensamento e a diversidade de acção que lhe são subjacentes são argumentos contra a imposição de um regime que uniformiza tudo e todos com recurso à violência (perseguindo os "hereges" que espalham a palavra sobre as outras possibilidades e manipulando as crianças que ainda estão a desenvolver a mente - no filme, a instabilidade dos seus demónios=almas faz a metáfora). Tudo isto, através de um conto mirabolante e fantástico com ursos falantes e feiticeiras boas onde só um escritor premiado (a película baseia-se na obra de Philip Pullman) conseguiria meter harmoniosamente uma "lição de História". Lyra (Dakota Blue Richards), a menina protagonista a quem ninguém manda fazer nada que não queira e que em cada instante decide por si própria o passo seguinte, é a melhor personificação do livre arbítrio que o realizador oferece ao seu público jovem. Convém não esquecer que tudo nos parece bonito porque estamos do lado dos bons e sentimos isso perfeitamente, não fôssemos nós ocidentais. E com isto, vem o 2º ponto.

2º o mau exemplo: Será impressão minha ou os maus da fita de A Bússola Dourada - tirando os altos cargos do Magisterium, a organização política totalitária - são representados ora por guerrilheiros de faces asiáticas ora por soldados de aspecto russo? Não me atrevo a acreditar que haja uma intencionalidade nisso se for mesmo como eu reparei. Alguém mais percebeu isso? Comentem à vontade.


publicado por garçon às 22:50 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds