Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007
Ontem ia ver a peça de teatro Paranormal e acabei por ver o filme Eastern Promises, do realizador David Cronenberg. A peça tinha sido cancelada e assim, para não desperdiçar a saída de casa, eu e os meus amigos fomos ao cinema logo ali perto do Mundial, no Saldanha. Por acaso, não fazia conta de ver este filme. Mas ainda bem que o vi porque é muito bom.


Não é um filme que me tenha marcado muito. Por norma, não aprecio filmes sobre grupos de crime organizado a não ser quando o drama suplanta as cenas de violência que lhes dão sucesso fácil. Neste caso, não se pode dizer que a violência seja pouca. Ela está lá em quantidades moderadas mas muito fortes, diga-se de passagem. Até provocou o riso na sala de cinema, na cena dos banhos públicos, de tão desnecessário que a certa altura se tornou a tamanha violência que nunca acabava. Parecia um filme de terror, cuja fórmula indica que o morto à primeira ainda se mexe e volta a atacar e só morre de vez à segunda, depois desse sobressalto que já não surpreende ninguém. Enfim...
Violência à parte, o filme fala de dois mundos coexistentes mas quase sempre intangíveis. Trata-se do mundo dos mafiosos, os maus, por um lado, e do mundo das pessoas normais, os bons, por outro lado. Até que um dia, um recém-nascido coloca estes dois mundos em contacto, na cidade de Londres, pondo em perigo tanto uns como os outros. A parteira Anna (Naomi Watts) não se conforma com a morte da mãe de Christine (a lembrar Christmas, tempo da narrativa) quando esta nasceu. Não tendo nada mais do que um diário escrito em russo, Anna agarra o desafio de encontrar a família materna da criança. Nessa caminhada, cruza-se com uma família da máfia russa cujo motorista terá um papel crucial até ao fim do filme.
O final é feliz sem ser demasiado melodramático, pese embora uma excelente música original de Howard Shore, que nunca falha nas suas envolventes composições, e as excelentes interpretações da protagonista feminina mais Viggo Mortensen ("-I'm just the driver") e Vincent Cassel.


publicado por garçon às 23:06 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds