Domingo, 4 de Novembro de 2007

O melhor de se começar a noite lisboeta tarde é que termina igualmente tarde. Ou cedo, para quem acaba de acordar. Digo que é o melhor porque permite assistir ao amanhecer de uma cidade diferente da do meio-dia. Diferente ainda da cidade do entardecer e da cidade do anoitecer. Esta semana tem sido óptima para ver o nascer de Lisboa, com o céu limpo e uma luz que deixa tudo a descoberto com a maior nitidez.
Com a cidade sinto-me amanhecer também, quando estou sozinho, e há algo de renascimento nisso como se o novo Sol viesse mais forte e queimasse tudo o que é passado e só lhe interessasse o novo dia. Tudo é novo. E limpo. E há tanto tempo para aproveitar.
Quando a solidão me abandona para dar a vez à companhia, vamos ao café Suíça comer uma torrada, eu, uma pastelaria fresca, tu, café com leite, os dois. Vamos ensinar aos sentidos o acto de sentir que ficou esquecido de um dia para o outro. Vamos aprender que é bom saborear, donde vem este cheiro apetitoso, o que aquece o corpo e a alma, como são bonitos os teus olhos e a vontade de me agarrar, ouvi-te dizer. Que coisa é esta que sinto por dentro, não calor, não físico, que sentido sente assim não sei bem o quê?
O amanhecer apaga a sujidade da noite e prolonga o que resta de bom, como um beijo roubado à pressa com medo que a luz do dia o deixe para sempre inexistente na cave nocturna. Um beijo que a manhã afinal recebeu e que, no entanto, se escondeu dela num vão de escada para não ser queimado mas sim acusado de fogo posto.
No amanhecer, quantos beijos foram trocados, quantos ficaram por dar, quantos corpos imolados e quantos vãos de escada assim purificados?


publicado por garçon às 15:13 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds