Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008


Há que tempos que andava para ver o filme Sunset Boulevard, ou O Crepúsculo dos Deuses em português, de Billy Wilder, e não via meio. No dia 16 de Janeiro, passou na Cinemateca e eu não pude ir à sessão por uma boa causa.
No entanto, quis o destino que não perdesse este filme enquanto tinha vontade. Numa feliz coincidência, nessa mesma semana comecei a trabalhar num emprego diferente e uma das minhas novas colegas, a Ana Paula que é cinéfila, logo me contou que este era o filme favorito dela e prontificou-se, num gesto de generosidade ímpar, a emprestar-me o seu DVD.
Assim, esta semana finalmente o vi. E percebi o culto à volta dele. Realmente, o argumento é muito bom, bem como a fotografia, a direcção artística, a música, a montagem e o resto, mas sobretudo o papel de Gloria Swanson é essencial. Ela é a imagem do filme que ficará guardada na nossa memória. Ela interpreta Norma Desmond, uma antiga grande estrela do cinema mudo que, após o destronar deste pelo sonoro, ainda vive na ilusão da sua carreira de outrora apesar de não fazer nada senão isso. O que mais impressiona, além do ambiente tipicamente film noir que rodeia e preenche a mansão onde reside ("muito acolhedor" como pensa ironicamente o inesperado hóspede à força), é a postura que a actriz mantém mesmo sem as câmaras de filmar à frente como se continuasse a representar sem palavras (assim, os seus olhos, a sua expressividade, dentes cerrados ou dedos retraídos, falam muito mais do seu transtorno psicológico - como era imprescindível no filme mudo para transmitir as emoções). Está verdadeiramente genial, o que lhe valeu para a nomeação ao Oscar de melhor actriz pelo ano de 1950, data do filme.
Curiosamente, a ficção confunde-se com a realidade. Gloria Swanson foi mesmo uma grande estrela do cinema mudo cuja carreira foi interrompida em 1934. E passo a citar o livro Hollywood Prémios da Academia: "Foram várias as vezes em que tentou o regresso, até 1983, altura em que morreu. Tinha 86 anos."
"Mas Crepúsculo dos Deuses revelou que Gloria Swanson foi uma actriz de corpo inteiro. Com capacidade para se destacar tanto no mudo como no sonoro."


publicado por garçon às 14:53 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Anónimo a 29 de Fevereiro de 2008 às 11:56
Meu caro Nuno,
como não poderia deixar de ser subscrevo inteiramente a tua apreciação sobre este filme.
Indiscutivelmente cinema de primeiríssima qualidade e um dos meus filmes favoritos.
Penso mesmo que quem for amante da 7ª arte, obrigatoriamente gostará de "Sunset Blvd".
Ainda bem que foi do teu agrado.

Ana Paula.


Comentar post

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds