Sexta-feira, 27 de Março de 2009

Na segunda-feira passada, fui matar saudades da Cinemateca e de ver um bom filme a preto e branco, e o que escolhi para ver foi The Black Cat (Magia Negra, em português) de um realizador de que nunca tinha ouvido falar: Edgar G. Ulmer. O que me levou a ver este filme foi o elenco composto por dois actores principais famosos no género de terror. Como já souberam pelo título desta posta que estou a mandar, são eles Boris Karloff e Bela Lugosi.

Com efeito, os seus desempenhos fazem o filme praticamente todo, sem tirar mérito aos restantes créditos. Entre os dois, é sem dúvida Karloff o que mais bem se destaca, em parte porque a sua personagem é muito mais interessante, sendo o anfitrião numa casa que é "uma obra-prima de construção sobre uma obra-prima de destruição".

Além disso, trata-se de uma realização muito boa, com planos muito bonitos, cenários e colocações muito bem orquestrados, enfim, como disse atrás, tudo elaborado em conjunto de forma a criar uma peça inteira de arte cinematográfica.

Na folha que a Cinemateca distribui com a projecção, lê-se: "The Black Cat pode considerar-se como o primeiro filme de «horror psicológico»". Realmente, se ao longo do filme há vários momentos que calmamente, um a um, aumentam o ambiente de medo, este atinge o seu máximo já perto do final na cena de tortura. Eu, que já pensava que ia sair da sala sem ter tido qualquer reacção, dei por mim a encolher-me na cadeira e a pôr a garrafa de água à frente do nariz.

Muito bela também, é a primeira cena de Karloff, a levantar-se da cama (de onde apenas se via, do "nosso lado", uma mulher de longos cabelos louros deitada). Levanta-se direito e lentamente como saem os mortos de um caixão e o seu perfil negro é recortado pelo fundo claro das suas paredes modernas.

O video que se segue não mostra uma cena como eu costumo e prefiro fazer por dois motivos. Primeiro, não há quase registos nenhuns da obra e o que há não me agradou suficientemente. Segundo, apesar de as imagens servirem uma canção fora do contexto com uma remistura apropriada, esta está muito bem feita e revela parte do que de melhor se pode ver em The Black Cat.



publicado por garçon às 20:59 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds