Sábado, 11 de Abril de 2009

A par com Jelly Roll Morton, Nova Orleães produziu uma outra figura de seguro génio nos inícios do século XX: Joe "King" Oliver, mestre do jazz colectivo (Abend, Louisiana 1885 - Savannah, Georgia 1938). Tocou com várias bandas daquela cidade antes de se impor (1914) como o melhor cornetista.

Quando King Oliver se mudou para Chicago (1920), a sua fama era tanta que o levou a tocar em duas orquestras diferentes na mesma noite (das 21.30 às 00.30 e da 1 às 4 da manhã). Aí fundou a Creole Jazz Band, um grupo notável cujas gravações de 1923 assinalam, segundo os historiadores, a passagem do jazz da sua "pré-história" à história. Trata-se de peças que ainda impressionam mostrando o melhor da escola de Nova Orleães no campo da improvisação de conjunto.

Ironicamente, o segundo cornetista (o seu protegido Louis Armstrong) em breve mudaria o jazz para sempre com os seus solos improvisados. Em 1924, Armstrong e outros abandonaram a Creole Jazz Band, o que a desfez por completo.

Oliver pegou, então, numa outra formação já existente mudando-lhe o nome para The Dixie Syncopators. Com estes elementos realizou novas gravações (entre as quais a de "Snag It").

Contudo, o seu conservadorismo musical e a inaptidão para os negócios levaram-no a tomar decisões erradas quando foi para Nova Iorque (1927). Inclusive recusou uma proposta para tocar regularmente no famosíssimo Cotton Club.

Além disso, os problemas nos dentes (causados em parte pelas predilectas sandes de açúcar da sua infância) provocaram dores gradualmente maiores enquanto tocava a corneta. Assim, nos últimos registos gravados (1929-1931), a sua presença é residual embora sejam grandes exemplos de boa música dançável.

Os discos que ficaram estão quase sempre mal gravados. Percepciona-se aí apenas uma sombra da mestria de Oliver, capaz de arrancar à corneta, sobretudo com a surdina, uma vasta variedade de sons.

 

 

Posta mandada com base no livro Os Caminhos do Jazz, Guido Boffi, Edições 70 e nos sítios www.allmusic.com e www.youtube.com


tags:

publicado por garçon às 09:52 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds