Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007
IRIS OUT:

No domingo em que faltava um mês para o Natal, houve uma grande discussão em família. Eu e o Rui fomos almoçar aos meus pais e a minha irmã, o meu cunhado e a minha afilhada também foram. Estávamos todos à mesa e o meu pai, enquanto esticava o braço por cima da travessa para apanhar o galheteiro do outro lado, perguntou:
-Então, como é que vai ser o Natal este ano?
Eu olhei para o Rui e ele olhou para mim quase ao mesmo tempo e percebi logo que ele não voltava atrás na convicção de passar a Consoada junto dos pais dele. Já tínhamos falado sobre isso em casa e ele argumentou que no ano anterior a noite foi passada com a minha família, logo, desta vez era justo que fosse com a dele. A minha irmã foi a primeira a dizer alguma coisa:
-Eu e o Francisco gostávamos que fosse lá em casa este ano. As obras já estão quase terminadas e ainda vamos ter a sala praticamente toda livre antes de arrumarmos tudo. Assim aproveitamos melhor o espaço para pôr a mesa e a árvore de Natal pode ser maior.
A minha mãe gostou logo da ideia e disse que ia logo de manhãzinha para ajudar a ordenar tudo e a preparar os cozinhados. O meu pai olhou para mim e para o Rui com ar de inquisição mas sorriso malandro, pois, já sabia o que viria da nossa parte.
Mantive-me calado uns segundos para dar oportunidade ao Rui de falar, mas tive que ser eu a tomar a iniciativa. Ele não é capaz de contrariar os meus pais, que sempre foram tão bons para ele.
-Eu e o Rui já decidimos à partida que vamos ao Cartaxo.
A minha mãe, a pessoa mais expressiva na família, desferiu logo um Ooh! curto e grosso e exclamou:
-Não pode ser! Como é que tomam uma decisão sem falar primeiro com a gente? Não pode ser assim, nós queremos muito estar com vocês e não sermos sequer chamados ao assunto é mal feito!
Enquanto o meu cunhado explicava que já tinham planeado os lugares todos e que a sala ia ficar muito vazia e fria sem nós, o meu pai encheu de novo o copo de vinho do Rui. A minha mãe fiscalizou o gesto e olhou para mim como quem diz: "Olha que o teu pai ainda embebeda o teu homem mesmo sabendo que é ele que vai conduzir, parece que não o conheces."
O Rui parece ter percebido o mesmo que eu (deve ser dos anos de convívio com a minha mãe) e disse polidamente e a brincar:
-Sr.Carlos, já terminei, obrigado. Olhe que o seu filho está-me a controlar.
O meu pai riu-se à gargalhada e defendeu que na casa dele quem controlava era ele e a sua dona e que se ele quisesse beber, que bebesse.
Eu ri-me mas mais me apetecia responder-lhe torto. Era sempre a mesma coisa e o Rui nunca era capaz de dizer não até ao ponto de termos de fazer tempo para lhe passar as tonturas e ir para casa. Quem se ocupava dele depois era eu, claro.
A minha mãe aproveitou e bem:
-Então se a dona aqui também manda, mando que pares com isso e mando que estes dois rapazes venham passar o Natal aqui e não refilem - piscou-me o olho.
-Os meus pais vão ficar muito chateados se não estiver lá outra vez este ano - disse o Rui finalmente - Já no ano passado ficaram tristes mas compreenderam. Agora, querem que seja o Miguel a vir comigo ao Cartaxo, é à vez.
-Vão lá almoçar no dia seguinte - replicou a minha irmã, que parecia mais indignada agora pela justificação da recusa - eu até já falei com o Quim dos bolos para me preparar os bolos-rei e um Molotov e uma lampreia de ovos a contar convosco.
Aí, eu tive que dizer:
-Ah! Então não fomos os únicos a decidir antecipadamente!
-É diferente - reclamou a minha mãe.
-É diferente, porquê? - já não havia volta a dar, eu e a minha mãe entráramos numa das costumadas discussões teimosas que tínhamos quase sempre que estávamos juntos.
O meu Rui e o meu pai já não diziam nada e só se riam um para o outro, a gozar o prato, enquanto o meu cunhado acabava com a salada e a minha irmã remexia as azeitonas à procura de uma verde com pimento vermelho, as favoritas dela.
A minha sobrinha, sempre sossegada até aí, gritou:
-Ai Ai Ai, não consigo ouvir os bonecos - e levantou o som ao televisor. Foi quando demos conta de que ela ainda ali estava. E rimo-nos todos.
A minha mãe e a minha irmã foram à cozinha pôr a loiça suja e buscar a fruta e a sobremesa do meu cunhado, um pudim de ovos delicioso. Eu e o Rui desta vez não fizemos nada porque não tivemos tempo, com as andanças pelos bancos à procura do melhor spread.
Reuniram-se, então, as duas facções do costume, a das mulheres e a dos homens. O meu pai pediu à netinha que baixasse a televisão, agora que já não havia barulho. Depois disse, concordando:
-Acho que os compadres têm razão para se queixarem, afinal já há dois anos que não têm o filho com eles no Natal - de facto, há dois anos o Rui estava numa missão em Belgrado e não pôde voar por causa das tempestades de neve que encerraram todos os aeroportos dos Balcãs.
-Pois, só elas é que não percebem isso - murmurei eu desconsolado - vou ver se elas precisam de ajuda. Levantei-me, passei por trás do Rui e desapareci pela porta.
Antes de chegar à cozinha, ouvi a minha mãe dizer:
-Tudo bem, não me importo. Mas ai deles se não vierem na passagem de ano!
Ao que a mana respondeu:
-Vou avisar o Quim que é só para o réveillon, então. Ele pede sempre pra avisarmos o quanto antes por causa das encomendas dos ingredientes que são muitas e imprevisíveis nesta época.
Entrei com um sorriso de orelha a orelha.
-Então? Que temos hoje para nos adoçar a boca?
-Tu não mereces, ouviste! Vais-nos abandonar, desnaturado! - e deu-me um beijo. A minha irmã acaba sempre por aceitar bem as minhas escolhas.
Todos de volta à sala, o copo do Rui estava outra vez cheio mas eu nem me importei, preferindo saborear a vitória e o pudim descansado. A minha mãe também fez que não viu, mas eu sei que ela viu porque ela vê tudo.
Enquanto rapávamos o caramelo ao fundo das taças, cada um foi dizendo o que fazia para o almoço de Natal, já que não vínhamos à Consoada. Eu, como já sabem, é o tronco de Natal e não há melhor do que o meu. O Rui este ano quer experimentar fazer sonhos pela primeira vez. Fará logo uma grande porção de massa para que dê para as duas casas. Eu ajudá-lo-ei. A minha irmã e a minha mãe fazem as filhoses na véspera e o meu pai ocupa-se das fatias douradas, é ele o que come mais disso, mais ninguém aprecia muito. O meu cunhado prefere tratar dos salgados (rissóis, croquetes, pastéis de bacalhau, chamuças), que vai encomendar à Dona Amélia lá do trabalho, que os faz em casa e vende para fora, muito bons. Também é capaz de preparar umas tostinhas ou uns aperitivos de entrada com salsichinhas, tâmaras e presunto que ele gosta tanto (e nós também).
-Quem é que trata do velho este ano? - perguntou o meu pai referindo-se dissimuladamente ao Pai Natal para que a pequena Bia não percebesse (mais tarde, perguntaria no carro aos pais quem era o velho) - Sou sempre eu! - desabafou.
O meu cunhado ofereceu-se, depois de ter olhado para os outros homens e lembrado que só sobrava ele nessa noite.
Eu ofereci-me para ajudar a montar a àrvore de Natal no fim-de-semana seguinte, o que deixou as mulheres muito contentes (incluindo a Bia). E a mim também. Esta discussão ficou resolvida. A próxima será no Dia de Natal, à mesa, sobre a passagem de ano. Eu e o Rui já temos passagens e estadia para Paris, três noites com meia-pensão e passeio de barco no Sena. Vamos poder ver o fogo de artifício da Torre Eiffel da varanda do nosso quarto de hotel. Já sabíamos, mas combinámos previamente não revelar ainda nada, pois que duas discussões no mesmo dia é de mais.

IRIS IN:

END


publicado por garçon às 16:43 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Génova

Escrito num WC público

Jacqueline Du Pré Encanto...

Polícia emancipada/o

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Bossa, Elis, 1965, Ecolog...

O Enterro de Sidney Beche...

As palavras são como as.....

Foi Jazz - Sidney Bechet

É Jazz - Joel Xavier "Sar...

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds