Terça-feira, 28.04.09

No outro dia, no Baile de Máscaras da Antena2 (17h-19h), ouvi uma antiga locutora dessa mesma estação (desta feita entrevistada pela actual locutora Ana Ferreira) dizer que é fácil gostar da música clássica porque ela estimula a imaginação, leva à criação de cenários e situações vividas na mente de quem a ouve.

Pois bem, Sra. Dona Maria Júlia Guerra, dou-lhe toda a razão porque eu, que só recentemente fui "chamado" para a música clássica, já passei por isso de forma muito intensa duas vezes. E nestas duas vezes, foi durante apresentações ao vivo, o que me leva a crer que esta circunstância aumenta a probabilidade de "viajar".

É certo que eu sou muito dado a fazer filmes. Não é brincadeira. Realizo mesmo cenas avulsas na minha cabeça quando estou em casa, a trabalhar, no trânsito... Estou sempre atrás de uma câmara invisível filmando pessoas e lugares para lá da realidade tangível.

Ora, na primeira vez que isso me aconteceu com a música, eu já tinha mais ou menos uma ideia de enredo para um filme (a sério) que pretendia escrever. No auditório pequeno da Fundação Calouste Gulbenkian, a ideia expandiu-se nitidamente enquanto observava o tornozelo da pianista em serviço.

Hoje, no foyer do Teatro Nacional de São Carlos, ao mesmo tempo que ouvi Mozart e Schumann, uma catadupa de ideias novas quase me fez pular de entusiasmo como era grande a vontade de sair dali e apontar logo num papel o que acabara de imaginar. Aguentei até ao fim (quem é que se atreve a sair durante o recital?) e, mal entrei no meu carro, escrevi, escrevi e escrevi sobre todo o programa do Ciclo de Música de Câmara para Ensembles.

O que é que eu escrevi? Cenas...



publicado por garçon às 20:51 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 27.12.08

 

Harold Pinter (1930-2008)



publicado por garçon às 13:21 | link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22.02.08

Lisboa Invisível é uma peça de teatro co-produzida pelo Teatro Meridional e pelo Teatro Municipal de São Luiz, apresentada neste último e integrada no ciclo Outras Lisboas no âmbito do Ano Europeu do Diálogo Intercultural.
A peça, que estreou no passado dia 14 de Fevereiro inaugurando o ciclo, versa sobre os Africanos e é composta por actores negros ou mestiços. Não tem uma história de princípio, meio e fim, antes ilustra passagens na vida de uma família (uma grande família) que está reunida na vizinhança ou está longe noutro continente (a voz presente). Há momentos de alegria, de espera e desespero (na fila do SEF), de dor, de violência, competitividade, repreensão e carinho. E há um sentimento patriótico português alimentado por, adivinha-se, campeonatos internacionais de futebol. É aquilo que não se vê do lado de fora. Só quem tem o privilégio de conviver com estas pessoas no dia-a-dia é que sabe o que se passa entre elas e dentro delas.
Esta é uma boa oportunidade para os outros, os que ainda não se integraram na comunidade intercultural, para perceberem o que existe em Lisboa. Na realidade, o que nunca se viu é como se não tivesse existido até esse contacto que nos põe em confronto com o mundo à nossa volta.
Para mim, o mais interessante na peça foi a montagem de um cenário genialmente simples, a partir de andaimes da construção civil transformados ora em habitação, ora em cabeleireiro ou em discoteca afro e, mais para o final, num "prédio" de dois andares equipado com vários objectos que distinguem um lar. Além disso, para quem gosta, os ritmos africanos ouvem-se ao longo de boa parte da peça, com destaque para o kizomba que se faz acompanhar da dança.
Por outro lado, algumas diferenças linguísticas ou uma má colocação da voz por parte de alguns dos actores baixaram um pouco o nível de qualidade a uma peça que, já de si, tem pouco de apelativa apesar do tema interessante onde há muito a explorar.


publicado por garçon às 19:42 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Cenas Clássicas

Apart from That

Lisboa Invisível

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds