Quinta-feira, 11.06.09

Apresento aqui o primeiro andamento do Concerto para violoncelo em E menor de Elgar, com a Jacqueline du Pré no violoncelo e o Daniel Barenboim na direcção. Os restantes andamentos estão também no Youtube mas, para mim, este é o mais bonito. E, lembrem-se!, faço anos em Setembro e a Amazon tem muitos discos dela à venda, incluindo caixas com todas as gravações, e eu não encontro nada nas lojas. Também me podem oferecer o biopic Hilary and Jacquie, filme baseado na biografia escrita pelos irmãos.

 

(Convém aumentar o volume antes de começar a ouvir porque o registo está baixo)

 

 

Conheci esta violoncelista inglesa numa manhã cinzenta a caminho do trabalho (pela Antena2, agora quase sempre sintonizada) e fiquei logo apaixonado por ela e pela obra que ouvi - o concerto para violoncelo em E menor do compositor Edward Elgar. Logo o meu dia se iluminou.

Não só o concerto é arrepiante de beleza mas também a história da intérprete cuja vida foi demasiado curta para o muito que com certeza ainda podia dar ao mundo. Parece idiota mas é inevitável que uma morte prematura eleve ainda mais a grandeza de um espírito e de uma obra. Dá pena como quando acaba qualquer coisa boa.

Citando o Wikipedia, Jacqueline Mary du Pré (1945-1987) nasceu em Inglaterra e ficou conhecida como uma das melhores violoncelistas de sempre. A sua paixão pelo concerto de Elgar, à volta da qual andou toda a vida, associou-a a este de maneira indelével. A sua interpretação deste trabalho tem sido descrita como "definitiva" e "lendária".

Em 1966, conheceu o pianista e maestro israelita Daniel Barenboim e, no ano a seguir, foi para Jerusalém, converteu-se ao judaísmo e casou com ele. Esta relação foi das mais frutíferas na música dando muitos concertos e gravações juntos.

Em 1971, a performance de du Pré começou a piorar gradualmente à medida que ela foi perdendo sensibilidade nos dedos e noutras partes do corpo. Foi-lhe diagnosticado esclerose múltipla em 1973. A doença forçou-a a deixar de tocar com apenas 28 anos e levou-a à morte prematura.



publicado por garçon às 19:01 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 01.06.09

A igualdade no acesso ao casamento civil é uma questão de justiça que merece o apoio de todas as pessoas que se opõem à homofobia e à discriminação. Partindo da sociedade civil, a luta pelo acesso ao casamento para casais de pessoas do mesmo sexo em Portugal conta neste momento com um crescente apoio político e social. Nós, cidadãos e cidadãs que acreditamos na igualdade de direitos, de dignidade e reconhecimento para todas e todos nós, para as/os nossas/os familiares, amigas/os, e colegas, juntamos as nossas vozes para manifestarmos o nosso apoio à igualdade.

Exigimos esta mudança necessária, justa e urgente porque sabemos que a actual situação de desigualdade fractura a sociedade entre pessoas incluídas e pessoas excluídas, entre pessoas privilegiadas e pessoas marginalizadas; Porque sabemos que esta alteração legal é uma questão de direitos fundamentais e humanos, e de respeito pela dignidade de todas as pessoas; Porque sabemos que é no reconhecimento pleno da vida conjugal e familiar dos casais do mesmo sexo que se joga o respeito colectivo por todas as pessoas, independentemente da orientação sexual, e pelas famílias com mães e pais LGBT, que já são hoje parte da diversidade da nossa sociedade; Porque sabemos que a igualdade no acesso ao casamento civil por casais do mesmo sexo não afectará nem a liberdade religiosa nem o acesso ao casamento civil por parte de casais de sexo diferente; Porque sabemos que a igualdade nada retira a ninguém, mas antes alarga os mesmos direitos a mais pessoas, acrescentando dignidade, respeito, reconhecimento e liberdade.

Em 2009 celebra-se o 40º aniversário da revolta de Stonewall, data simbólica do início do movimento dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros. O movimento LGBT trouxe para as democracias - e como antes o haviam feito os movimentos das mulheres e dos/as negros/as - o imperativo da luta contra a discriminação e, especificamente, do reconhecimento da orientação sexual e da identidade de género como categorias segundo as quais ninguém pode ser privilegiado ou discriminado. Hoje esta luta é de toda a cidadania, de todos e todas nós, homens e mulheres que recusamos o preconceito e que desejamos reparar séculos de repressão, violência, sofrimento e dor. O reconhecimento da plena igualdade foi já assegurado em várias democracias, como os Países Baixos, a Bélgica, o Canadá, a Espanha, a África do Sul, a Noruega, a Suécia e em vários estados dos EUA. Entre nós, temos agora uma oportunidade para pôr fim a uma das últimas discriminações injustificadas inscritas na nossa lei. Cabe-nos garantir que Portugal se coloque na linha da frente da luta pelos direitos fundamentais e pela igualdade.

O acesso ao casamento civil por parte de casais do mesmo sexo, em condições de plena igualdade com os casais de sexo diferente, não trará apenas justiça, igualdade e dignidade às vidas de mulheres e de homens LGBT. Dignificará também a nossa democracia e cada um e cada uma de nós enquanto cidadãos e cidadãs solidários/as – e será um passo fundamental na luta contra a discriminação e em direcção à igualdade.



publicado por garçon às 23:32 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 07.05.09

Acabei de colar as peças do último puzzle que montei (Os Girassóis, Van Gogh). Amanhã, irei emoldurá-lo e pô-lo na parede. Colocá-lo-ei no sítio donde retirarei o puzzle montado antes desse - Nenúfares, Claude Monet. A fotografia deve ter um par de anos mas foi tirada já com a intenção de mandar uma posta aqui. As condições de luz e os reflexos da moldura não fazem desta uma boa fotografia mas fica a ideia.

 

 

Fotografia de garçon



publicado por garçon às 22:20 | link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

 

...ter um convite duplo para o São Carlos e não ter "ninguém" ao meu lado.



publicado por garçon às 21:33 | link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Terça-feira, 28.04.09

No outro dia, no Baile de Máscaras da Antena2 (17h-19h), ouvi uma antiga locutora dessa mesma estação (desta feita entrevistada pela actual locutora Ana Ferreira) dizer que é fácil gostar da música clássica porque ela estimula a imaginação, leva à criação de cenários e situações vividas na mente de quem a ouve.

Pois bem, Sra. Dona Maria Júlia Guerra, dou-lhe toda a razão porque eu, que só recentemente fui "chamado" para a música clássica, já passei por isso de forma muito intensa duas vezes. E nestas duas vezes, foi durante apresentações ao vivo, o que me leva a crer que esta circunstância aumenta a probabilidade de "viajar".

É certo que eu sou muito dado a fazer filmes. Não é brincadeira. Realizo mesmo cenas avulsas na minha cabeça quando estou em casa, a trabalhar, no trânsito... Estou sempre atrás de uma câmara invisível filmando pessoas e lugares para lá da realidade tangível.

Ora, na primeira vez que isso me aconteceu com a música, eu já tinha mais ou menos uma ideia de enredo para um filme (a sério) que pretendia escrever. No auditório pequeno da Fundação Calouste Gulbenkian, a ideia expandiu-se nitidamente enquanto observava o tornozelo da pianista em serviço.

Hoje, no foyer do Teatro Nacional de São Carlos, ao mesmo tempo que ouvi Mozart e Schumann, uma catadupa de ideias novas quase me fez pular de entusiasmo como era grande a vontade de sair dali e apontar logo num papel o que acabara de imaginar. Aguentei até ao fim (quem é que se atreve a sair durante o recital?) e, mal entrei no meu carro, escrevi, escrevi e escrevi sobre todo o programa do Ciclo de Música de Câmara para Ensembles.

O que é que eu escrevi? Cenas...



publicado por garçon às 20:51 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 14.03.09

Se eu deixasse uma criança morrer esquecida dentro de um carro durante três horas ou se eu fosse directa ou indirectamente culpado da morte de um bebé, não sei como viveria depois.

Tenho sobrinhos pequenos, o mais novo tem cinco meses e ainda não sonhei com a morte dele. Mas é muito provável que isso aconteça como acontece com as pessoas de quem gosto mais. São pequenos pesadelos que tenho em determinada fase de uma relação com alguém muito especial. A minha sobrinha mais velha tem seis anos e a fase dos sonhos maus com ela já passou. Deve ser porque já é suficientemente grande para se defender da irresponsabilidade dos adultos.

Os maus tratos e até a morte de bébés por causas perfeitamente evitáveis relembram que cuidar de crianças é um trabalho da maior importância e exige um zelo e uma vigilância permanentes. Como é que alguém se pode esquecer de um ser humano que é totalmente dependente dos outros?

A morte dos meus sobrinhos é um dos meus maiores medos seja de que maneira for. Diz-se que sonhar com a morte afasta-a. Era bom que assim fosse mas não sou supersticioso. Pelo contrário, a efemeridade da vida, da felicidade, dos sorrisos e do próprio tempo levam-me conscientemente a querer estar mais vezes com as pessoas que amo. Isso tem moldado a minha forma de pensar e as minhas decisões ultimamente.

 

A propósito de traumas com a morte de uma criança e das vidas para sempre destroçadas dentro de uma família que é como um puzzle irremediavelmente incompleto, o filme O Casamento de Rachel faz um retrato. Além de ser um excelente trabalho de realização de Jonathan Demme, conta como pode ser a vida depois da morte do ponto de vista de dentro da família. Claro que cada família é diferente e daria um filme diferente na mesma situação e, por isso, dou os parabéns à argumentista Jenny Lumet por ter chegado ao possível denominador comum destas pessoas frágeis, que se deixam partir facilmente a si mesmas de tempos a tempos e voltam a recompor-se por cima dos cacos espalhados pela casa. É uma resistência sem limites aquela que leva a gente a continuar.



publicado por garçon às 23:36 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 20.08.08
A Joana voltou de férias para minha alegria. Tive sorte nos dois últimos trabalhos. Encontrei pelo menos uma ou duas pessoas daquelas que nos dão vontade de ir trabalhar. E a Joana é uma delas. A gente compreende-se tão bem um ao outro. Hoje passámos as pausas a falar de relacionamentos. De como é tão simples e complica-se. De como se é capaz de tudo, até de reprimir ciúmes. De como as tendências se intrometem onde não são chamadas. A tendência de proteger. De evitar. De querer adivinhar o futuro. De pensar muito e agir pouco. O que é certo é que ela disse e eu já tinha pensado e vice-versa. Ela é pragmática como eu e eu gosto de pessoas pragmáticas. A conversa foi tão boa que nos rimos da nossa própria desgraça e da daqueles que nos põem assim bem dispostos porque afinal o que nós queremos mesmo é aproveitar o melhor, só, mais nada. Como disse a Joana, "porra, eu não peço que ele case comigo! Eu não quero apanhar meias do chão!" Agora, andar a comer uns e outras e dizer que connosco é que era mas... Pelo amor de Deus! Andar neste chove não molha, em nome do quê? De uma amizade especial? De um amor romantizado? (que veneno este, o romantismo! A culpa é do cinema, dizem uns; é do Walt Disney e da Cinderela, dizem outros)
Res-posta a seguir: Joana dixit.

(fotografias tiradas na noite de Santo António de 2008)


publicado por garçon às 22:08 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 26.07.08

Tenho um disco que quase nunca ouço no Inverno mas que, de repente, começo a trautear quando o Verão começa. Porquê? Porque é um disco de Verão. É O Sul do Projecto Camaleão Azul (a vocalista é a Viviane, mais conhecida pelos Entre Aspas, de quem gosto muito de ouvir cantar). Todo o disco é inspirado e dedicado ao Algarve estival com especial incidência no mar e no crepúsculo, nos pores-do-sol e nas noites cálidas, como se vê também pelas fotos incluídas (tiradas por pessoas do mesmo projecto). É um disco do qual gosto na íntegra, pois, sou capaz de ouvir cada canção acompanhando a letra que está sobreposta numa fotografia (cada letra numa imagem diferente) e sentir o Algarve a um passo de distância. É que está tudo - música, poema, canto e paisagem - tão bem relacionado e de forma tão bela e lírica que relembro as grandes férias que uma vez passei, quando tinha cerca de dez ou onze anos, no Farol de Alfanzina. Aí brinquei muito com os filhos gémeos do faroleiro (um rapaz e uma rapariga da minha idade), o Sol era mais querido e punha-se à direita sobre a falésia em vez de se pôr no mar em frente e as noites eram passadas a ouvir o canto da sereia que vinha do escuro lá de baixo, onde os pescadores, sentados no precipício, estendiam as suas redes na esperança de apanhar muito e bom polvo junto às rochas. Tudo com a luz giratória a cortar o horizonte negro deixando ver o mar e as barcas que, nos entretantos, eram pontinhos vermelhos apenas.


Se um barco foras que me conduzisse
Pela tarde fora como um mar de outubro,
No teu corpo teria porto e âncora em que medisse
A paz que só em ti quero e descubro

E ao fim do dia quando as aves
Abrissem em teus olhos as asas deslumbradas
Contigo teceria os meus sonhos mais suaves
E que lua e estrelas os velassem, sossegadas.


publicado por garçon às 19:39 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 21.07.08

Ultimamente tenho andado desligado embora tenha voltado a ter ligação à Internet. A minha vida mudou tantas vezes no primeiro semestre deste ano. Mudei de emprego, mudei de casa e troquei os transportes públicos por um carro comercial. De livreiro no Chiado passei a assistente administrativo em Carnaxide, de um quarto alugado nas Laranjeiras voltei para o meu quarto da Margem Sul e, em vez de acordar às 5h30m para apanhar quatro transportes diferentes até chegar ao trabalho, optei pela compra de uma viatura em segunda mão e por acordar uma hora mais tarde (dói na mesma).
Apesar disso, creio que as mudanças não vão ficar por aqui e espero terminar o ano muito mais feliz do que quando comecei. A vida é mesmo assim, feita de altos e baixos, e é bom aproveitar um bate cu no chão para dar balanço à nova subida.


publicado por garçon às 22:47 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 24.06.08
Há canções que nos fazem sorrir, há canções que nos põem tristes, há aquelas que nos lembram alguém e ainda as que dizem mais de nós do que nós próprios. Que nos ensinam a viver e a amar, o que nunca tínhamos pensado que éramos capazes de fazer.
Algumas invocam uma perda, outras uma esperança ou ambas. The Return to Innocence condensa um pouco disto tudo e reparo, ao olhar para o meu retrato ao lado, como está próxima do meu conceito de liberdade. Gostava de (re)encontrar a minha inocência, da qual tenho uma vaga memória, para chegar a livre mais depressa.



Dont be afraid to be weak
Dont be too proud to be strong
Just look into your heart my friend
That will be the return to yourself
The return to innocence

If you want, then start to laugh
If you must, then start to cry
Be yourself dont hide
Just believe in destiny

Dont care what people say
Just follow your own way
Dont give up and use the chance
To return to innocence


publicado por garçon às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

mais sobre mim
links
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

Jacqueline Du Pré Encanto...

MpI - Eu sou o 63º subscr...

Nenúfares

Triste é...

Cenas Clássicas

E agora, depois?...

Hold On To Your Friends

O Sul

Desligado

The Return to Myself

arquivos

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

acesso ao casamento

bem disposto

clássicos

coisas de contar

conta como podia ser

contra-buplicidade

dança

desafio

desliguem os telemóveis.

direitos assertivos

direitos humanos

é o drama

flores

hobbies

igualdade

jazz

jazz foi

jazz fresquinho

mundo engraçado

mundo feio

o virar da página

objectivamente (fotografia)

olha pra mim

pessoas

poesia

ponto de escuta

prosa

quem sabe...

sweet sadness

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds